segunda-feira, setembro 25, 2017

Alienígena














A língua estranha que falo...
não atinge:
nem arte,
nem gente,
não arde,
não sente..

A cada sim:
um não.
Cada conflito:
sem solução.
Se falo de flores:
morcegos.
Se falo coragem:
são medos.
Quando chego:
partes.
Quando parto:
natimorto.

Barco que vaga...
sem encontrar porto.

Sonia Anja .

Nenhum comentário: